Você já se perguntou por que não compartilha sua vida com pessoas com deficiências? A resposta é simples: é porque você não compartilhou a escola com eles.

 

 

A campanha “Vamos começar na Escola“ (#EmpecemosEnLaEscuela), da RREI.Latinoamérica(Red Regional por la Educación Inclusiva), consiste de uma série de vídeos e elementos gráficos que procuram mostrar que a exclusão que as pessoas com deficiência enfrentam em suas vidas é em grande parte explicada pela exclusão que experimentaram anteriormente no sistema educacional, e conscientizam sobre a necessidade de o Governo garantirem seu direito à educação inclusiva.

Na América Latina, o direito à educação para pessoas com deficiência é sistematicamente violado. Muitos deles são absolutamente excluídos do sistema educacional, por que não frequentam escolas especiais ou regulares e são forçados a permanecer em ambientes de saúde ou assistência social, enquanto outros são segregadas em escolas especiais onde recebem educação inferior baseados em uma lógica segregatória que limita sua inclusão em ambientes futuros.

A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, adotada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 2006, prevê, no artigo 24, que as pessoas com deficiência têm o direito de estudar e aprender em escolas regulares com apoio e ajustes necessários, e que não pode ser excluído do sistema de ensino geral. No entanto, as normas, políticas e práticas educacionais nos países da região continuam a refletir a persistente discriminação contra esse grupo.

Somente garantindo que todos nós nos eduquemos nas mesmas escolas podemos construir uma sociedade mais igualitária e justa que ofereça as mesmas oportunidades. Vamos começar na escola!

 

[NOTÍCIAS]

CCJ APROVA PROJETO QUE DÁ MAIS PODER A PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

Maior poder a pessoas que possuem algum tipo de deficiência intelectual para tomar decisões relativas a seu corpo, sexualidade e voto. Esse é o objetivo de projeto de lei (PLS 757/2015) aprovado na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Um dos autores do projeto, o senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), afirma que a iniciativa promoverá o equilíbrio entre a garantia do exercício dos direitos civil e o direito ao auxílio para a prática de atos formais. Confira a reportagem é de Bruno Lourenço, da Rádio Senado.

 

EXPEDIÇÃO 21

A Expedição 21 já teve a sua primeira edição já aconteceu. Durante 4 dias, 18 jovens com deficiência intelectual ficaram imersos em uma casa sem a presença dos pais. O treinamento despertou a liderança e auto-estima dos participantes. O programa da Globo, Fantástico mostrou os bastidores desta Primeira Imersão de Pessoas com Deficiência Intelectual da América Latina. Confira AQUI

 

PARTICIPAÇÃO NO TALK SHOW DA CBN

Jéssica Mendes, vice-diretora regional da Federação Down e fotógrafa, participou no dia 17/11 do talk show da CBN, com o repórter Bruno Melo e outros fotógrafos sobre o tema “fotografia inclusiva”. Confira AQUI 
Além desse talk show com a CBN, aconteceram palestras em torno do tema e várias exposições de fotógrafos com deficiência.

 

 

Estudante com deficiência visual em uma universidade em Al-Fashir, Darfur do Norte, no Sudão. Foto: Hamid Abdulsalam/UNAMID

COMITÊ DA ONU SOBRE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA PUBLICA NOVA ORIENTAÇÃO LEGAL

Pessoas com deficiência e suas organizações representativas devem participar de processos públicos de tomada de decisões sobre seus próprios direitos humanos, afirmou o Comitê das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. O órgão publicou nova orientação legal sobre a Convenção sobre os Direitos de Pessoas com Deficiência. Leia mais AQUI

 

 

 

 

MEC QUER IMPOR RETROCESSOS NA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA

No dia 6 de novembro, a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi) do Ministério da Educação (MEC) abriu para consulta pública a atualização da Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (PNEEPEI). (…)

Para Ana Cláudia Mendes de Figueiredo, advogada e vice-presidente da Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down (FBASD), as alterações são amplas e profundas e modificam os principais pilares da PNEEPEI.

“A proposta altera a concepção da inclusão escolar como direito humano; o estabelecimento da natureza transversal, complementar e suplementar da educação especial; a institucionalização de recursos, estratégias e serviços, entre os quais o atendimento educacional especializado, para eliminação de barreiras, e a adoção do modelo social de deficiência, consagrado na Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência – CDPD, ratificada com valor de norma constitucional”, explica.

Leia mais AQUI

 

MOÇÃO DE REPÚDIO DA CONAE A PROPOSTA DE ATUALIZAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A Conferência Nacional de Educação (Conae) aconteceu entre os dias 21 a 23 de novembro, em Brasília. O evento reúniu diversos segmentos da sociedade, entidades e setores educacionais. O tema central da edição 2018 foi “A Consolidação do Sistema Nacional de Educação – SNE e o Plano Nacional de Educação – PNE. Hoje, durante o evento foi aprovada uma moção de repúdio a proposta de atualização da Política Nacional de Educação Especial.
Leia na íntegra:

MOÇÃO DE REPÚDIO
Nós delegados da CONAE 2018 apresentamos uma Moção de Repúdio pela inexistência de elaboração de um diagnóstico à respeito das dificuldades enfrentadas pelas escolas particulares e públicas em todos os níveis das esferas municipais, estaduais e federais pela efetivação da educação inclusiva preconizada na legislação vigente. Somos contrários à atualização da PNEEPI, sem diagnóstico junto às Instituições de Ensino e movimentos representativos da diversidade do público alvo da educação especial, bem como, repudiamos uma proposta de atualização da PNEEPI, que não seja fruto de um diálogo verdadeiro com a população, profissionais e sociedade civil organizada. Sem base no conceito de deficiência constituído na Convenção Internacional de Direitos da Pessoa com Deficiência, hoje com status de Emenda Constitucional.

Entendemos ainda, que a proposta não é fruto de participação democrática. Consulta pública não é debate e interlocução. Queremos diálogo verdadeiro com população, profissionais e sociedade civil organizada. O paradigma inclusivo, garantido na Constituição Federal, prevê ingresso e permanência com qualidade em classes comuns de escolas regulares. Liberdade de escolha não significa retornar às escolas especiais, mas garantir participação da população no processo educacional. O Atendimento Educacional Especializado não é assistência tecnológica. Ele orienta a construção conjunta e colaborativa do plano de AEE, com base na leitura das barreiras existentes para a educação escolar. A Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência e a Lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência garantem acesso pleno ao currículo (Inciso III, Art. 28) e adaptações razoáveis (§3º., Art. 54), o que é incompatível com a diferenciação curricular.

 

LEI N. 13.685, DE 2018 – NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE ANOMALIAS E MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS.

Aplica-se à síndrome de Down? Saiba mais a respeito, acesse a Nota Técnica da Federação Down: NOTA TÉCNICA SOBRE A LEI N. 13.685_DNV

 

 

 

[DIVULGUE AQUI]

Este é um espaço para você, associada da Federação Down, divulgar notícias, atividades, histórias, etc. Envie para federacaodown@federacaodown.org.br até dia 25 de cada mês e publicaremos em nosso Boletim!

I FÓRUM CAPIXABA DE ATENÇÃO À SAÚDE DA PESSOA COM T21 (SÍNDROME DE DOWN)

Nos dias 19 e 20 de outubro de 2018, em comemoração aos 20 anos de existência da Associação Vitória Down, a associação em parceria com a clínica de Medicina Integrativa Elo 21, de São Paulo, realizou o “I Fórum Capixaba de Atenção à Saúde da Pessoa com T21 (Síndrome de Down)”, realizado no Cine Teatro da Universidade de Vila Velha – UVV.

O I Fórum Capixaba de Atenção à Saúde da Pessoa com T21 teve como objetivo deflagrar um debate técnico-científico de atenção à saúde da pessoa com T21 (síndrome de Down) para estabelecer uma rede de profissionais da saúde, inclusive profissionais médicos de diferentes especialidades, com competências para assistir às particularidades biológicas e comportamentais da pessoa com Síndrome de Down, possibilitando o aprimoramento da atenção à saúde dessa população no Espírito Santo, contemplando todas as faixas etárias.

Estiveram presentes no evento cerca de 385 pessoas, entre pessoas com T21, famílias, estudantes e profissionais da área da saúde e educação de todo o estado.

 

Colaboradores da Associação Vitória Down
Colaboradores Clínica Medicina Integrativa Elo21 (SP)

1ª Apresentação Cultural realizada pelos jovens com T21
Encerramento do I Fórum Capixaba de Atenção à Saúde da Pessoa com T21

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[ACONTECE]

III ENCONTRO NACIONAL DO EMPREGO APOIADO

O evento acontecerá dias 6 e 7 de dezembro em Campinas-SP, promovido pela Anea (Associação Nacional do Emprego Apoiado). No evento estarão diversas organizações e profissionais que promovem a inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho utilizando o método do Emprego Apoiado.
Veja mais informações no SITE

 

 

 

CONGRESSO IBEROAMERICANO SOBRE SÍNDROME DE DOWN

O V Congresso Iberoamericano de Síndrome de Down acontecerá dias 29 e 30 abril 2019 em Cartagena de Indias, Colômbia. Confira todas as informações pelo site: http://www.fiadown.org/web/congreso2019/

 

Protagonismo e autonomia. É nisso que acreditamos!