A Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down não pode deixar de manifestar seu repúdio à ação da polícia da cidade de Joabesburgo, África do Sul, ao atirar no jovem de Nathaniel Julius, um jovem de 16 anos com síndrome de Down levando-o a morte no último dia 26 de agosto, durante uma abordagem. O que a polícia não levou em consideração foi que Nathaniel não respondeu por causa de sua deficiência.

Este assassinato do jovem Nathaniel demonstra a total falta de preparo daqueles policiais que ao abordarem pessoas com deficiência, por desconhecimento e compreensão, adotam medidas extremas tirando a vida de um jovem. A polícia, em qualquer lugar do mundo deve ter como princípio básico a proteção das pessoas, da sociedade e não tirar vidas sem qualquer justificativa, e no caso, demonstrando que as pessoas com deficiência continuam tendo seus direitos fundamentais violados. E neste caso em particular, o direito a vida.

A Federação externa seus sentimentos a família do jovem Nathaniel nesse momento tão difícil.

A Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down, endossa totalmente as manifestações da Down Syndrome International (DSi, Síndrome de Down Internacional), da International Disability Alliance e outras Organizações, que encaminham apelo ao governo da África do Sul e outros governos do mundo para que observem os direitos das pessoas com deficiência, como contemplado na Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, assegurando que todas as medidas devam ser implementadas objetivando a garantia dos direitos das pessoas com deficiência.

Antonio Carlos Sestaro
Presidente
Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down